Policial mata ambulante com tiro no peito ao tentar evitar assalto em SP

Matéria veiculada na Folha de S.Paulo em 10/02/2017.


O ambulante João Joaquim de Souza, 54, foi morto com um tiro no peito, em frente à mulher e aos filhos, por um policial civil de folga que tentou evitar um roubo, na manhã desta quinta (9), ao lado do terminal Barra Funda (zona oeste de São Paulo).

O agente Adilson Mascarenha dos Reis disparou ao abordar Reinaldo Souza Bispo, 27, que segundo testemunhas tentava roubar celulares na rua da Várzea. O suspeito foi preso em seguida por policiais militares.

De acordo com a delegada do 23º DP (Perdizes) Mônica Resende Gamboa, a vítima trabalhava em uma barraca vendendo café da manhã, quando foi baleada.

Mônica diz que testemunhas chamaram pelo policial após verem Bispo tentar roubar uma mulher, simulando ter uma arma na cintura.

"Reis desceu da moto, foi atrás do assaltante, deu voz de prisão e pediu pra ele deitar. Como ele [o suspeito] ameaçou puxar uma arma, o agente disparou", disse.

Ainda de acordo com a delegada, pedestres informaram o policial que ele havia atingido Souza. "Ele pediu para as pessoas anotarem a placa da moto dele, foi atrás do ladrão e depois voltou".

Quando Reis retornou, encontrou a família do ambulante, que também trabalha em barracas no entorno do terminal, chorando sobre o corpo da vítima. O caso será investigado pela Corregedoria da Polícia Civil.

O ambulante e sua família vivem em um cortiço na própria rua da Várzea, em frente ao local onde ele foi morto. A mulher e os filhos dele viram o parente agonizar no chão, segundo colegas.

"A família dele foi correndo para se debruçar sobre ele e ver o que tinha acontecido. Os filhos choraram sobre o pai", contou a pasteleira Rosana Barnabe, 47. Segundo ela, Souza foi assaltado na semana passada.

O tenente-coronel da reserva e ex-comandante do Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) da Polícia Militar paulista Diógenes Lucca diz que a "abordagem em si não é o problema", mas que todo policial precisa "considerar o risco" de ações com aglomerações de pessoas, como é o caso do entorno do terminal Barra Funda (zona oeste de São Paulo).

"Um bom policial sempre considera essa possibilidade. Ele tem que pensar no caso de ter uma uma reação e ele precisar efetuar uso de arma de fogo, já que coloca em risco terceiros inocentes. Isso precisa ser levado em consideração, mas nem sempre é possível fazer isso", disse o oficial que também é consultor em segurança.

Ainda de acordo com ele, antes de dizer se o policial civil agiu de forma certa ou errada na ação, é preciso "avaliar as circunstâncias" do disparo feito. "O princípio do policial é sempre agir em superioridade de homens e de armas. Se ele agiu sozinho contra uma pessoa suspeita, não vejo mal nenhum".