Homem mata mulher e comete suicídio em bairro nobre de SP

Matéria veiculada no UOL em 26/02/2017.

O empresário João Alberto Ferrão, 63, diretor da rede de estacionamentos Rede Park, matou a tiros a sua mulher, a advogada Renata Vieira de Souza Ferrão, 60, e se suicidou no apartamento onde moravam no Itaim Bibi, bairro nobre da zona oeste de São Paulo.

O crime ocorreu na tarde deste sábado (25) na cobertura de um condomínio da rua Bandeira Paulista. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, por volta das 17h30 um dos assessores do empresário disse que foi ao apartamento e, ao não ser atendido, arrombou a porta.

Ele encontrou a advogada caída, dentro do closet, e, após subir ao terraço, viu o corpo do empresário de bruços, dentro da piscina, com a arma utilizada no crime ao lado. A polícia não informou quantos tiros foram dados.

De acordo com a polícia, foi encontrada no apartamento uma carta na qual João Alberto Ferrão faz orientações sobre como a Rede Park deve ser administrada na sua ausência. Nenhum dos funcionários da empresa contatados pela reportagem quis se manifestar.

João Alberto e Renata Ferrão eram casados havia 15 anos e não tinham filhos. Segundo amigos, o empresário vinha sofrendo de depressão.

O radialista Edson Natale, 59, amigo e vizinho do casal, disse que o casal tinha um bom relacionamento. "Fiquei chocado, abismado, não dá para entender", disse. (

Os corpos foram retirados do local por volta da 0h30 deste domingo (26) e levados ao IML (Instituto Médico Legal) central, de onde já saíram para os preparativos do enterro.

INVESTIGAÇÃO

De acordo com o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Militar, em uma primeira avaliação, não foram encontrados sinais de arrombamento no apartamento, nem indícios de luta corporal dentro do local.

Ainda segundo o documento policial, uma carta que teria sido escrita por João Alberto foi encontrada na cobertura. Nela ele fala sobre o suicídio e sobre o futuro da rede de estacionamentos. Uma pistola foi encontrada próxima ao corpo do empresário e irá passar por uma perícia.

O caso foi registrado no 14º Distrito Policial (Pinheiros), mas a investigação ficará a cargo do 15º DP, responsável pela área.