Fuzis contrabandeados para o Rio foram comprados legalmente nos Estados Unidos

Matéria veiculada no Extra em 02/06/2017.


Um brasileiro que mora em Miami, nos Estados Unidos, é apontado pela Polícia Civil do Rio como chefe da quadrilha responsável por tentar entrar no Rio com 60 fuzis pelo Aeroporto Internacional do Galeão. Ele está sendo procurado por policiais norte-americanos. Nessa quinta-feira, a carga, avaliada em R$ 3 milhões, foi interceptada pelos policiais ao desembarcar na cidade. O armamento, que seria revendido para traficantes, estava dentro de filtros de piscina. As investigações da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e Delegacia Especializada em Armas, Munição e Explosivos (Desarme) apontam que os fuzis - modelos AK-47, G3 e AR-10 - foram comprados legalmente nos Estados Unidos.

O homem procurado é dono de uma empresa de importação e exportação de produtos e também lucra com a atividade lícita. Ele, no entanto, utiliza-se da empresa para entrar no Rio também com mercadoria ilícita. De acordo com as investigações da Polícia Civil, o suspeito não fornece as armas para uma facção específica. Seu interesse é o lucro, por isso ele negocia com quem estiver interessado nos produtos.

As investigações apontam ainda que a quadrilha possui diferentes motoristas para entregar as armas nas favelas de facções rivais - um deles é responsável pelas comunidades dominadas pelo Comando Vermelho, e o outro, por aquelas comandadas pelos Amigos dos Amigos e Terceiro Comando Puro. No Rio, o valor das armas varia entre R$ 50 e 70 mil.

A polícia acredita que o esquema mantido pelo chefe da quadrilha, nos Estados Unidos, seja grandioso, principalmente pela forma que os fuzis, que estavam novos, foram trazidos. Para o armamento ser transportado, foi preciso abrir os filtros de piscina e fechá-los novamente, já com o material dentro, para parecerem não ter sido alterados. As armas foram envoltas em fita isolante e havia ainda isopor no meio delas. Para envolver os filtros, foi usado papel alumínio.

A Secretaria de Segurança vai pedir à Justiça que as armas sejam usadas pela polícia do estado. No Rio, o AR-10 é utilizado pela Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e Batalhão de Operações Especiais (Bope).

As investigações da Polícia Civil começaram há cerca de dois anos, com a morte de um policial militar. Um dos presos ontem é João Vitor Rosa da Silva, apontado pela polícia como homem de confiança do chefe da quadrilha. As investigações apontam que ele, capturado dentro de uma academia de ginástica em São Gonçalo, era o responsável por negociar os armamentos com os criminosos. O braço direito de João Vitor também foi capturado.

Os outros dois presos são o motorista da empresa que faria o transporte da carga e o despachante responsável pela documentação da mercadoria importada. Os policiais também apreenderam no aeroporto sete caixas com 140 projéteis de munição 762, usados nos fuzis AR-10.