Menino de 7 anos morre com tiro acidental ao brincar com arma na casa do tio em Pelotas

Matéria veiculada no G1 em 08/08/2017.

Clique aqui para ver o vídeo da reportagem.

Um menino de 7 anos morreu com um tiro acidental em Pelotas, no Sul do Rio Grande do Sul. Segundo a investigação, a arma estava na casa do tio. A família diz que Alexandre Rosa Farias teria brincado com a espingarda calibre 28 até ocorrer o disparo. O caso foi no domingo (6).

Ele é irmão de Kemily Vitória da Rosa Farias, de 5 anos, morta por bala perdida no dia 25 de julho. A menina foi atingida no peito quando brincava no pátio de casa com a mãe e os irmãos.

Depois da morte da menina, a família se mudou do Loteamento Mauá, no Bairro Simões Lopes. para o bairro Getúlio Vargas, na cidade. A ideia dos pais era dar mais segurança aos quatro filhos.

Na tarde de domingo (6), Alexandre saiu para brincar na casa do tio, a uns 60 metros da residência da família. Ele teria encontrado a arma no quarto do rapaz, de 20 anos.

Segundo relato da família, o garoto disparou acidentalmente enquanto manuseava a arma. O tiro atingiu a cabeça dele.

"Ele que mexeu, ele que foi ali, e foi ver de curioso, né? Curiosidade de criança. Eu nunca imaginei que lá dentro ia ter uma arma e que aconteceria com meu filho", relata mãe Tauana Farias. "A gente nunca imaginava. Fui pra lá pra ter um pouco de paz e aconteceu o que aconteceu", desabafa.


No boletim de ocorrência, a polícia identifica a morte do garoto como suicídio. Mas o delegado Félix Rafanhim disse que o caso ainda vai ser investigado. A ideia é apurar se o menino estava mesmo sozinho no cômodo. A arma foi recolhida e passará por uma perícia.

"Não sabemos se foi mesmo acidente, pode ter sido um possível suicídio, um caso acidental, mas pode ter sido um homicídio culposo", comentou. "O que sabemos é que aquela arma não devia estar lá", frisou.

A família tenta suportar a dor. "Estou forte por enquanto, mas olha eu não sei até que horas até que momento, até que minuto que eu vou aguentar. Não sei mesmo", lamenta a mãe.

"Enterra uma de 5 [anos] e agora um de 7... não sei o que vai ser de mim, não sei para que rumo tomar, que vida seguir, eu não sei mesmo".