Corretor acusado de tentar matar ex-namorada ligou para fazer novas ameaças após o crime, diz advogada

Matéria veiculada no Globo em 01/07/2018


Menos de 24 horas após ser acusado de ter disparado 11 tiros contra uma ex-namorada e o atual companheiro da jovem, o corretor de imóveis Paulo Henrique Goulart, de 43 anos, teria feito novas ameaças contra a mulher. Segundo a advogada Camila Menezes, que defende uma das vitimas, Paulo ligou para o novo telefone celular da ex, no sábado. O crime foi praticado em Jacarepaguá, na sexta-feira.

Paulo é acusado pela ex-namorada de ter interceptado a tiros o carro em que ela e o atual namorado viajavam. A mulher, ferida no tórax e de raspão no ombro e no pescoço, já recebeu alta hospitalar. O outro baleado, atingido por três tiros, continua internado. O automóvel em que eles estavam ficou com várias perfurações no vidro dianteiro.

O crime ocorreu em Jacarepaguá, pouco depois de o casal deixar a Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM), que fica no bairro, onde tinham registrado queixa contra o corretor.

— Minha cliente, após deixar o hospital, trocou o número do celular. Mesmo assim, o ex-namorado descobriu o número e ligou no sábado para fazer ameaças contra ela e contra a família. Disse, inclusive, que vai descobrir onde ela está. Ela e a família estão desesperadas — disse a advogada.

Um pedido da decretação da prisão preventiva de Paulo Henrique Goulart , feito pela Polícia Civil, está sendo analisado pelo juiz de plantão do Tribunal de Justiça do Rio.

O corretor e a jovem namoraram por pouco mais de um ano. Em 2018, ela rompeu o relacionamento, mas o corretor não teria aceitado a decisão.

Segundo a polícia, na sexta-feira a jovem tinha ido à delegacia pela terceira vez para denunciar o corretor por ameças e agressões. Ele teria, inclusive, intimidado a jovem, alegando ter uma arma de fogo.

A Justiça chegou a determinar que ele mantivesse distância mínima de 500 metros da ex-namorada e ainda a apreensão da arma, que acabou não sendo encontrada.

Paulo é réu em um processo no 7º Juizado de Violência Doméstica da capital, a partir de um registro de ocorrência feito pela ex-namorada em maio. Ele também foi denunciado pelo Ministério Público por crimes de lesão corporal decorrente de violência doméstica e ameaça.