Aluno invade escola e atira contra colegas no Vale do Jequitinhonha

Clique aqui para acessar a matéria.

Um estudante, que teria 17 ou 18 anos, invadiu a escola em que estuda e atirou contra alunos no município

de Caraí, no Vale do Jequitinhonha, na manhã desta quinta-feira. Dois adolescentes de 15 e 16 anos ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Municipal de Padre Paraíso, cidade vizinha. 

O tiroteio ocorreu na Escola Estadual Orlando Tavares, que fica no distrito de Ponto da Marambaia. A comunidade fica a 32 quilômetros da sede de Caraí e a 15 de Padre Paraíso. A instituição atende alunos do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º do Ensino Médio.

Segundo o diretor do educandário, Márcio Anselmo Vieira Matos, havia cerca de 300 alunos no local. O fato aconteceu por volta das 8h, quando parte dos estudantes fazia atividades de educação física. Houve pânico e correria. Com o auxílio da direção e dos professores, eles conseguiram entrar nas salas para fugir do atirador. 

O atirador estuda no turno da manhã, no 2º ano, mas não foi à aula. Armado com uma garrucha de dois canos, um facão e uma réplica de pistola, ele pulou um dos muros laterais para invadir a instituição de ensino. 

Segundo o professor de matemática João Nazareno Chaves, uma colega de profissão impediu que a tragédia tivesse consequências maiores. Ele contou ao Estado de Minas que o aluno tentou invadir uma das salas, mas a professora Sandra Borges segurou a porta pelo lado de dentro. Ao ver que ele forçava a entrada, outros alunos ajudaram a docente contê-lo. Mas, ele atirou pelo lado de fora. A bala atravessou a porta e atingiu um aluno de 16 anos. O professor João Nazareno o levou de carro ao hospital de Padre Paraíso. Ele disse que o estado de saúde do jovem é gravíssimo. 

Como não conseguiu entrar na sala, o jovem saiu atirando pelo corredor. Foram pelo menos cinco disparos. Havia a suspeita de que um outro aluno, de 15 anos, havia sido baleado. No entanto, ele foi atingido por um golpe de facão em um dos braços. Ele também foi levado a Padre Paraíso por populares. 

Ainda segundo funcionários, o estudante até então era considerado um aluno quieto, sem agressividade. A motivação do crime ainda não foi esclarecida. Após atacar as pessoas, ele pulou o muro para a rua e tentou entrar novamente, mas foi detido pela Polícia Militar (PM). Um outro envolvido também foi detido, mas ainda não há detalhes da participação dele no crime.